O que são Dificuldades de Aprendizagem?

Tempo de leitura: 5 minutos

Embora as Dificuldades de Aprendizagem (DAs) tenham se tornado o foco de pesquisas nos últimos anos, elas ainda são pouco conhecidas pelo público em geral. As informações sobre tal tema têm sido discutidas de forma a não conseguir penetrar a todos, ocasionando enganos abundantes até mesmo em professores e a outros profissionais da educação. Diante disso é fundamental tentar compreender o que vem a ser Dificuldade de Aprendizagem.

O termo “dificuldade de aprendizagem” de origem inglesa “learning disability”, tem como definição na Wikipédia: Desordem de aprendizagem ou transtorno de aprendizagem é um tipo de desordem pela qual um indivíduo apresenta dificuldades em aprender efetivamente. A desordem afeta a capacidade do cérebro em receber e processar informação e pode tornar problemático para um indivíduo o aprendizado tão rápido quanto o de outro, que não é afetado por ela.

No entanto, a própria Wikipédia diz que o Joint National Committee for Learning Disabilities (NJCLD) (1981; 1985) possui outra definição de dificuldade de aprendizagem, porém um pouco diferente:

Dificuldades de Aprendizagem é um termo genérico que se refere a um grupo heterogêneo de desordens manifestadas por dificuldades significativas na aquisição e uso da audição, fala, leitura, escrita, raciocínio ou habilidades matemáticas. Esses transtornos são intrínsecos ao indivíduo e presume-se que devido à disfunção do Sistema nervoso central. Apesar de que uma dificuldade de aprendizagem pode ocorrer concomitantemente com outras condições incapacitantes (por exemplo, deficiência sensorial, retardo mental, distúrbio social e emocional) ou influências ambientais (por exemplo, diferenças culturais, instrução insuficiente/inadequada, fatores psicogênicos), não é o resultado direto dessas condições ou influências.

Ao falar o termo dificuldades de aprendizagem não estamos nos referindo a um único distúrbio, mas a uma ampla gama de problemas que podem afetar qualquer área do desempenho acadêmico do sujeito. As DAs são normalmente tão sutis que as crianças não aparentam ter problema algum, mas as afetam na sua totalidade, pois elas sofrem pela subestimação que sentem por não conseguirem cumprir com aquilo que esperam de si mesmas e com aquilo que os outros esperam delas.

As dificuldades de aprendizagem são percebidas, geralmente no período escolar, é normalmente dentro da sala de aula que são encontradas essas crianças que, tendo as capacidades necessárias, não conseguem atingir o rendimento que seria esperado para sua idade. Muitas crianças com DAs têm inteligência entre média e superior, e o que em geral é mais óbvio nelas é que são capazes em algumas áreas, como por exemplo sabem tudo de dinossauros, mas ainda são incapazes de reconhecer o alfabeto, ou ainda uma criança que lê muitíssimo bem, estando a frente da sua turma, mas que entrega um trabalho de escrita completamente incompreensível.

Os sujeitos com DAs tem em comum o baixo desempenho inesperado, pois em muitas áreas eles reagem de forma consistente com sua capacidade intelectual, mas apresentam dificuldades em outras, ou seja, a pessoa com DAs não possui dificuldade em tudo que executa, mas especificamente em uma área. Essas dificuldades são complexas e suas manifestações podem ser sintomas de uma infinidade de fatores; não é ocasionada principalmente por atraso mental, problemas emocionais ou falta de oportunidade para aprender também são causadores.

Sara Pais (1983) descreve algumas situações que podem clarificar a questão referente às dificuldades de aprendizagem. Dentre estas valem ressaltar:

Podemos considerar o problema de aprendizagem como um sintoma, no sentido de que não aprender não configura um quadro permanente, mas sim entra numa variedade peculiar de comportamentos nos quais se destaca como sinal de descompensação.

A mesma autora dá destaque à questão que: “Nenhum fator é determinante do seu surgimento e ele aparece da fratura contemporânea de uma serie de concomitantes”.

Em continuidade ela afirma, que o sintoma deve ser entendido como um estado particular de um sistema que, para equilibrar-se, precisou adotar esse tipo de comportamento que mereceria um nome positivo, mas que caracterizamos como não aprendizagem. Assim, pois, a não aprendizagem não constitui o contrário de aprender, já que como sintoma esta cumprindo uma função positiva tão integradora como a primeira, porém, com outra disposição dos fatores que intervêm.” (PAÍN, 1983).

É comum às pessoas confundirem dificuldades de aprendizagem com Necessidades Educativas Especiais, e também com as chamadas Inadaptações por Déficit Socioambiental. Por isso é importante observar quais características criança apresenta. De modo geral, podemos referir DAs em relação a crianças que, apresentam um quociente intelectual normal, ou no mínimo muito próximo da normalidade ou mesmo superior; não apresentam deficiências sensoriais e nem afecções neurológicas significativas; o seu rendimento escolar é manifesto e reiteradamente insatisfatório e  possuem ambiente sócio familiar normal.

É importante lembrar que uma criança com dificuldades de aprendizagem é aquela que na escola, ou em qualquer outro ambiente não consegui aprender com os métodos com os quais aprendem a maioria das crianças, apesar de ter as bases intelectuais apropriadas para a aprendizagem. E apesar dos problemas de aprendizagem não desaparecerem; a criança pode aprender a conduzir melhor suas dificuldades em aprender se for realizada cedo à intervenção em seu auxilio.

Sobre Sabrina Castilhos

Sou Sabrina Castilhos da Silva Branco, Educadora apaixonada por gente e pela sala de aula, que é um espaço que me surpreende, encanta, desafia, ensina e me possibilita exercer a arte de Educar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.